Não basta ser livre, tem que medir o seu com o do outro

Lista de fabricantes de software e comunidades e suas respectivas contribuições ao projeto Xorg :


Apple (5.61%)

- Ben Byer (2.49%)
- Jeremy Huddleston (3.11%)

Debian (1.42%)

- Bastian Blank (0.03%)
- Branden Robinson (0.01%)
- Brice Goglin (0.06%)
- David Nusinow (0.65%)
- Drew Parsons (0.25%)
- Gerhard Tonn (0.01%)
- Julien Cristau (0.35%)
- Kanru Chen (0.01%)

FreeBSD / NetBSD (1.42%)

- Christian Weisgerber (0.01%)
- Jared D. McNeill (0.01%)
- Jeremy C. Reed (0.29%)
- Matthias Drochner (0.01%)
- Matthieu Herrb (1.06%)
- Otto Moerbeek (0.01%)

Gentoo (0.37%)

- Daniel Drake (0.05%)
- Donnie Berkholz (0.27%)
- Hanno Boeck (0.01%)
- Joshua Baergen (0.03%)

Mandriva (0.18%)

- Ademar de Souza Reis Jr (0.03%)
- Gustavo Pichorim Boiko (0.06%)
- Paulo Cesar Pereira de Andrade (0.08%)

Novell / SuSE (3.95%)

- David Reveman (0.56%)
- Egbert Eich (1.52%)
- Greg Kroah-Hartman (1.04%)
- Luc Verhaegen (0.15%)
- Matthias Hopf (0.66%)

Red Hat (15.98%)

- Adam Jackson (9.35%)
- Adam Tkac (0.01%)
- Bill Nottingham (0.01%)
- Carl Worth (0.13%)
- Dave Airlie (1.18%)
- Dave Jones (0.01%)
- David S. Miller (0.01%)
- Kevin E Martin (1.69%)
- Kristian Høgsberg (2.00%)
- Mike A. Harris (0.01%)
- Owen Taylor (0.08%)
- Rik Faith (0.05%)
- Søren Sandmann Pedersen (1.40%)

Tungsten Graphics (4.07%)

- Alan Hourihane (1.38%)
- Brian Paul (0.03%)
- Michel Dänzer (2.22%)
- Roland Scheidegger (0.03%)
- Thomas Hellstrom (0.18%)
- Zack Rusin (0.20%)

Fonte

Alguém pode me explicar oque a apple faz nessa lista (5.61%) Vcs viram o time do redhat/fedora (15 %) ? Gentoo já participou mais (0.37%)…. ? Cadê o ubuntu ?

Usuário GNOME :)

<!--
TITLENL Usuário  GNOME :)
-->
<A NAME="200709201554"></A>
Minha passagem pelo mundo mac deu uma boa chacoalhada na minha concepção de desktop. Quando comecei a usar linux (e computadores) a única referência que eu tinha de desktop completo era o windows, já existia o KDE que imitava fielmente o look and feel do windão, mas apenas o look do mac.<br><br>

Apesar da QT imitar fielmente os controles do mac, a avalanche de menus e opções não deixava dúvidas sobre seu alvo primário, os usuários de windows. E como eu era novo no mundo dos computadores, e o GNOME era um lixo optei em ficar com o KDE 1.0, e sempre adotei distros com KDE.

Eu era um verdadeiro fanboy do KDE, escrevi até mesmo um howto de como operar o sistema, apontando suas similaridades com as outras interfaces e sua capacidade de superar todos os recursos dos concorrentes… Ai, Ai… Bons tempos.

Eu até gostava do GNOME, principalmente usando o enlightenment como windowmanager, naquela época era versão 1.4 ou 1.4 coisa assim, era muito completo mas nada comparado com o KDE 2.2.2 o melhor até a versão 3.5 🙂

A RedHat que financiava o GNOME por ver no KDE uma ameaça à liberdade já que o QT não era livre (para fins comercias), botou grana e surgiu o GNOME2 ,tudo novo. Essa nova versão surgiu no RedHat linux 8, meu segundo RedHat (antes eu era vítima do conectiva, fanboy do mandrake e ativista slackware)e pela primeira vez troquei o KDE pelo GNOME… Com o Redhat 9 e o gnome 2.2.x o bixo ficou ainda melhor, apesar dos bugs foi uma grande distro, mas com o pior KDE que já vi.

O tempo foi passando e o GNOME foi secando, várias opções simples como fixar janelas em cima das outras, destacar menus, foram retirados piorando muito sua usabilidade.Substituir o sawmill pelo metacity piorou demais a navegação entre as janelas e tornou os virtual desktops chatos e enfadonhos. Segundo os desenvolvedores tudo isso era para facilitar o uso… tipo, dificulta pra depois facilitar, sei…. A situação chegou a um ponto tal que o próprio Linus Torvalds disse algo parecido com : “O gnome trata os usuários como se eles fossem imbecis”, eu mesmo repeti isso diversas vezes.

O problema é que o KDE seguia um caminho diferente, entulhando os menus e as caixas de configuração com opções muitas vezes inúteis e redundantes, o que atrapalhava muito os novatos.

O mac os x segue a tendência do “menos é mais” e o faz com maestria sem acorrentar o usuário como o GNOME fazia. Isso mesmo, fazia, eles voltaram atrás em algumas coisas e hoje consigo usar o gnome sem xingar…Quando fui para o mundo mac achava que o KDE por causa de seu look era mais parecido como mac, mas hoje o gnome possui seus controles, aplicativos e forma de trabalhar muito mais parecidos com os do mac,e admito hoje que não consigo mais usar o KDE ehhheh

O GNOME tem muitos defeitos, assim com o Banshee, mas mesmo o KDE/Amarok sendo tecnicamente superiores tem suas interfaces muito poluidas e cheias de informações inúteis, o que parece mudar com o KDE4, espero ancioso, estou com meus dedos coçando pra pegar o novo opensuse… Alias recomendo o dolphin, um gerenciador de arquivos cópia escarrada do Finder, fantástico !

Fedora Again !

Aqui estou eu novamente mergulhado no mundo do RedHat. Sem dúvida foi
uma das épocas mais divertidas e produtivas da minha história digital.
Tanto que eu andava uniformizado pela, com camiseta, boné, chaveiro…
Até meu micro tinha adesivo da distro. Depois do fim do RedHat livre
surgiu o Fedora, uma distro que serviria como base para o RedHat
Enterprise , mas infelizmente ela nunca teve o mesmo impacto que seu
antecessor. “Uma distro cheia de bugs, com desenvolvimento
oligárquico”, pensava eu, de fato muitos bugs e muita trabalheira na
hora de instalar pacotes, mas um desktop insuperável e um sistema bem
organizado.


Decepcionado com a versão PPC do gentoo e suas raras atualizações,
resolvi tentar mergulhar novamente no mundo RPM, mas dessa vez a
versão PowerPC ! Então nos próximos dias postarei como esta sendo
minha experiência com o Fedora Core 4 em um iBook G3, não perca.