Fedora me matando de vergonha

Hoje gastei parte do meu dia tentando entender porque diabos o meu touchpad parou de funcionar no Fedora… Tudo que eu queria era que o segundo botão do meu macbook pro funcionasse , só isso ! Nem fiz questão de scroll ominidirecional com dois dedos nem double taps, apenas queria o segundo botão.

zombie2

Mas o fedora que divide a mesma doença que o archlinux de oferecer a última versão de todos os softwares custe o que custar, conseguiu deixar de ser a distro mais legal para macs. O fedora 10 trouxe como novidade a ausência do arquivo de configuração xorg.conf, o problema é que o driver synaptics e suas ferramentas para configuração de touchpads não foi avisado ! Tentei gerar de todas as formas possíveis, inclusive usando o X –configure, uma configuração mínima para satisfazer o synaptics, mas por razões do além a qualquer configuração gerada resultava em um segmentation fault e o X simplesmente morria.

Depois de muito pesquisar e ler sobre o assunto, além de notar que o número de macintoshers que usam linux em suas máquinas é quase nula, quase nenhuma documentação decente à respeito ,e comecei a concluir que  o Xorg novo não suportava mais os touchpads da apple … Num ato de desespero, coloquei o Live-CD do SuSE, e ZaZ, só perdi o scroll com os dois dedos, que agora funciona com um dedo só nos cantos, de resto perfeito.

O fedora pra mim agora é uma opção para Workstations, que são máquinas padrão IBM, conservador sem nenhum periférico extra, já que qualquer hardware fora do padrão ele não vai suportar direito. Além de ter poucas aplicações para o usuário doméstico… tipo não tem software Cool no fedora, só a mesma pilha de frameworks, servidores, uma baita plataforma de desenvolvimento e só … Mesmo como servidor o fedora é problema por causa de seu curtissimo ciclo de 6 meses…

Sei lá, se ainda não acendeu o botão vermelho no QG do fedora, acho que agora é a hora , pre que serve uma distro que não tem bom suporte de hardware, softwares domésticos e não é uma boa opção para servidores ?

Shutdown no sábado

Caros leitores e usuários dos serviços liquuid.me, comecei hoje os backups e o planejamento para a troca de sistema do server. Vou abandonar o já cansado Fedora 8 (werewolf) e migrar para alguma outra distro que ainda não decidi qual vai ser… Penso em adotar o ArchLinux, mas sua crueza (KISS em excesso) em alguns aspectos me deixa inseguro em sua adoção, portanto considero também distros como CentOS ou outra com um suporte mais longo.

Eu gostei muito do fedora como server, não tive problemas de nenhum tipo, e em poucas horas tinha Jabber, email, site tudo funcionando… O motivo é seu ciclo de desenvolvimento que me obriga a reconfigurar tudo a cada 6 meses… O fedora 8 já não tem mais suporte da comunidade , não vou arriscar ser invadido por besteira 🙂

Nesse meio tempo, o email , jabber, taskmanager, calendário vão ficar fora e não tem previsão pra voltar , se vc tem email liquuid.me ou jabber esteja avisado.

Hackers, vcs tem uma semana pra ownar o liquuid.me 😛

Arch Linux, os bons tempos voltaram ?

Minha história com o linux sempre foi meio conturbada mas durante muito tempo foi uma relação estável e saudável. Nunca fui fiel a uma única distribuição, sempre migrei para as versões mais novas conforme o release, naquela época não era possível baixar uma ISO da internet em um dia , dois ou uma semana 😛

Eu comprava minhas distros na livraria temporeal , custava 10 reais cada CD… Minha primeira distro foi o Debian Potato, lixo completo, não reconhecia vídeo, áudio ou o meu modem… Depois comprei o Conectiva 5, ainda tenho o box, funcionou o vídeo mas nada de áudio ou modem. Então migrei pro mandrake, funcionou vídeo com aceleração 3d , som mas não o modem.

O slackware foi uma revolução, pois com ele aprendi a compilar o kernel, o que me abriu um mundo novo de possibilidades… Com ele deixei de ser refém do linux e tomei o controle, fiz aceleração 3D, som e após 6 meses o meu modem… Com isso aposentei o Windows 2000 que tinha na minha máquina e nunca mais usei sistemas da Microsoft pra algo além de jogar.

É claro que depois conheci, gentoo, redhat, LFS, fiz minhas próprias distros , fiz as pazes com o debian, odiei o ubuntu, mandei o debian pra PQP, conheci o fedora , abandonei o fedora , voltei pro gentoo …. Mas quero me ater ao Slackware pois ele me lembra muito o ArchLinux.

O slackware fez minha alegria pois todo o sistema deve ser configurado na mão, não existem configuradores automáticos ou scripts que ninguém sabe pra que serve. Um ótimo ambiente para aprendizado, ideal para quem tem máquina velha. Deixei de usar o slack por mais de 2 / 3 do meu sistema era composto de pacotes que eu mesmo fazia, o número de pacotes era tão grande que enchia 2 cds com pacotes TGZ, e olha que na época cabia o KDE e o GNOME inteiros em um único CD-ROM de 650 Mb. Junto com Roberto Parra, hospedamos boa parte desses pacotes no seu servidor e doamos para o site linuxpackages , naquela época não conhecia o coletivo Saravá , que possuem um dos maiores e melhores repositórios de pacotes slackware .

O que me incomodava no slack era o sistema de pacotes, que não tinha resolução de dependências ou upgrades, e levando em conta que gastava boa parte do meu tempo recompilando pacotes minha migração para o Gentoo foi natural . Nessa época o gentoo bombava, a politica era a de pacotes novos sempre… Mas esse espirito se foi com a saída de Daniel Robins a distro ficou abandonada e hoje está sem rumo.

O Arch linux ocupou esse espaço deixado pelo gentoo, com as vantagens do slack e do fedora, saca a política dos caras :

  • Pacotes recentes, custe o que custar, bem no estilo fedora
  • Sistema simples, com scripts de inicialização estilo BSD, como no Slackware
  • Pacotes binários com foco em desempenho apenas para i686 e x86_64, desempenho bom como no gentoo
  • Facilidade de criação de pacotes, como no slack
  • Instalação em TXT, com dialogos, muito simples, como no slack
  • Detecção automática de hardware de c* é r**a !!!
  • Gerenciamento de pacotes rápido e eficiente, resolvendo conflitos sem precisar de apt-get -f install , viva o Pacman !
  • Distro muito bem documentada como o Gentoo, e com ótimos cérebros nas listas… Diferente das listas do Ubuntu e Fedora que só tem n00b

A distro é muito legal, e é a distro geek que mais cresce atualmente ! Por incrivel que pareça ela tem foco em usabilidade, não estressa os nerds de plantão, acaba com os aborrecimentos tipicos de uma configuração/manutenção do slack . E não é recomendada para n00bs, vai usar Ubuntu seu lerdo !

Senti uma certa nostalgia ao usar o arch, e me lembrei dos bons tempos de quando usar o linux era uma experiência gratificantes ,educativa e divertida. Arch vem com muitos drivers proprietários nos repositórios e no CDROM, oque elimina a parte chata de usar uma distro tão simples.

Nas minhas próximas máquinas vou instalar Arch com certeza, e agora passa a ser minha recomendação de distro para o ano de 2008 😉

Não basta ser livre, tem que medir o seu com o do outro

Lista de fabricantes de software e comunidades e suas respectivas contribuições ao projeto Xorg :


Apple (5.61%)

- Ben Byer (2.49%)
- Jeremy Huddleston (3.11%)

Debian (1.42%)

- Bastian Blank (0.03%)
- Branden Robinson (0.01%)
- Brice Goglin (0.06%)
- David Nusinow (0.65%)
- Drew Parsons (0.25%)
- Gerhard Tonn (0.01%)
- Julien Cristau (0.35%)
- Kanru Chen (0.01%)

FreeBSD / NetBSD (1.42%)

- Christian Weisgerber (0.01%)
- Jared D. McNeill (0.01%)
- Jeremy C. Reed (0.29%)
- Matthias Drochner (0.01%)
- Matthieu Herrb (1.06%)
- Otto Moerbeek (0.01%)

Gentoo (0.37%)

- Daniel Drake (0.05%)
- Donnie Berkholz (0.27%)
- Hanno Boeck (0.01%)
- Joshua Baergen (0.03%)

Mandriva (0.18%)

- Ademar de Souza Reis Jr (0.03%)
- Gustavo Pichorim Boiko (0.06%)
- Paulo Cesar Pereira de Andrade (0.08%)

Novell / SuSE (3.95%)

- David Reveman (0.56%)
- Egbert Eich (1.52%)
- Greg Kroah-Hartman (1.04%)
- Luc Verhaegen (0.15%)
- Matthias Hopf (0.66%)

Red Hat (15.98%)

- Adam Jackson (9.35%)
- Adam Tkac (0.01%)
- Bill Nottingham (0.01%)
- Carl Worth (0.13%)
- Dave Airlie (1.18%)
- Dave Jones (0.01%)
- David S. Miller (0.01%)
- Kevin E Martin (1.69%)
- Kristian Høgsberg (2.00%)
- Mike A. Harris (0.01%)
- Owen Taylor (0.08%)
- Rik Faith (0.05%)
- Søren Sandmann Pedersen (1.40%)

Tungsten Graphics (4.07%)

- Alan Hourihane (1.38%)
- Brian Paul (0.03%)
- Michel Dänzer (2.22%)
- Roland Scheidegger (0.03%)
- Thomas Hellstrom (0.18%)
- Zack Rusin (0.20%)

Fonte

Alguém pode me explicar oque a apple faz nessa lista (5.61%) Vcs viram o time do redhat/fedora (15 %) ? Gentoo já participou mais (0.37%)…. ? Cadê o ubuntu ?

Fedora 9 e NVIDIA, não vai rolar ?

Pois é, como disse abandonei o sulphur uma semana antes do lançamento, pois não aguentava mais ter minha máquina inutilizavel por falta de drivers da NVDIA. O problema é que o lider do pacote xorg do fedora que é um dos lideres do desenvolvimento do xorg, decidil adiantar o calendário e lançar o novo xorg 1.5 dias antes do fedora. O problema é que nem a NVIDIA e nem a ATI lançaram novas versões de seus drivers oficiais para a nova versão do xorg.

Já fazem alguns dias que o fedora 9 foi lançado mas nem sinal de updates das placas de vídeo, o que posso interpretar como um grande tiro no pé do time fedora.

Quando ainda estava usando o rawride fiz uma gambiarra no meu sistema para que ao menos a aceleração 2d do driver da NVIDIA funcionasse, vamos ao passo a passo :


Instale o driver :

yum install xorg-x11-drv-nvidia

Derrube o modo gráfico

init 3

Renomeie o script que sobe o servidor X:

mv /usr/bin/Xorg /usr/bin/Xorg.0

Crie um novo script como segue :
 
nano /usr/bin/Xorg

Esse é o conteúdo do script :

#!/bin/sh
exec /usr/bin/Xorg.0 -ignoreABI "$@"

Volte ao modo gráfico :

init 5

Resolver não resolve, mas pelo menos da pra ligar o segundo monitor, ligar o micro em uma TV etc… É um bom paliativo.

No mais, não estou recomendando o fedora 9 pra ninguém com NVIDIA no momento, e eu particularmente vou pular para o fedora 10.

quota de disco no fedora

Se você é um sysadmin com poucos recursos de hardware, ou é um ditador tirano como eu, implementar quotas de disco no sistema é fundamental para a saúde do sistema. Como sempre vou usar o fedora como base para a instalação e para a sua sorte ele já vem com esse recurso ativado no kernel por padrão. De nada adianta uma distribuição organizada se você quer usar um sistema de arquivos bizarro da árvore do AM, quota só rola legal em sistemas ext2/ext3 , em xfs eu nunca testei, e a implementação de quotas do reiserfs não é software livre.

yum install quota

Existe dois tipos de quota de disco, quota por usuário e quota de grupo, preciso explicar ? Que bom que não. Caso você vá implementar quota por usuário você deve adicionar usrquota ao campo de parâmetros da respectiva linha de sua partição no arquivo /etc/fstab , por exemplo :

/dev/ubda               /                       ext3    defaults,usrquota        1 1
tmpfs                   /dev/shm                tmpfs   defaults        0 0
devpts                  /dev/pts                devpts  gid=5,mode=620  0 0
sysfs                   /sys                    sysfs   defaults        0 0
proc                    /proc                   proc    defaults        0 0
/dev/ubdb               swap                    swap    defaults        0 0

Caso use quotas por grupo adicione grpquota, simples né ? Feita as modificações você deve remontar a partição :

mount -o remount /

Agora devemos criar o arquivo de controle quotas, como segue no exemplo :

# touch /home/aquota.user
# chmod 600 /home/aquota.user

Caso use quota por grupo use :

# touch /home/aquota.group
# chmod 600 /home/aquota.group

Agora você deve rodar o comando quotacheck -vagum , ele vai reclamar de algumas coisas, mas não leve ele a sério.

Para editar as quotas dos seus users use o edquota -u usuario , então você verá algo desse tipo :

Disk quotas for user (uid 505):
  Filesystem                   blocks       soft       hard     inodes     soft     hard
  /dev/ubda                        16  300000000  350000000          6        6        0

Soft é a quota flexivel, ela pode ser extendida temporariamente até o limite definido em hard , ou seja durante um certo periodo o usuario pode manter mais arquivos do que o limite imposto , após esse período o usuário perde o direito de escrever no disco, legal né ? Se o usuário for um espertinho e tentar escrever um arquivo maior que o imposto pelo Hard, o sistema bloqueia a escrita.

O tempo em que o usuário pode ficar com a quota estourada é definida pelo comando edquota -t

Feito isso, corra para o abraço, não dos seus usuários, eles vão te odiar.