repo archlinux de volta

Não tinha me dado conta de que o repositório archlinux tinha saído do ar durante a migraçao pro centos, a configuração é a ser colocada em /etc/pacman.conf é :


[liquuid]
Server = http://www.liquuid.me/static/arch/repo

Tive que retirar vários pacotes por problemas diversos, desde projeto morto até pacotes que não compilam mais. A versão 64 bits do repo tá extinta já que não uso essa arquitetura em nenhum micro.

Archlinux pra servidor, só se for no seu !

É um desabafo, misturado com frustração e uma recomendação.

No começo da semana passada, como sempre faço gastei 10 minutinhos pra atualizar o servidor, verificar os logs etc. Mal sabia a desgraça que isso ia gerar.

No começo do ano estava insatisfeito com o fedora como servidor, ele funcionava muito bem mas seus ciclos de releases semestrais e os problemas de migrar de uma versão para outra no linode me fizeram desistir. Eu estava super empolgado com o archlinux, e migrei todos os serviços do liquuid.me pra essa distro, nessa época eu ainda não tinha me dado conta dos riscos de uma distro tão amadora.

Os problemas começaram a surgir em pouco tempo, quase que quinzenalmente ao atualizar o sistema alguma coisa quebrava, primeiro foi o jabber, depois o apache, o mysql etc… Eu sempre dei um jeito de resolver os pepinos, no caso do ejabberd houve um episódio onde o servidor era incompativel com o compilador/interpretador erlang disponível no archlinux, o que me obrigou a bloquear as atualizações desse serviço.
Depois de um tempo, fiquei com vários pacotes blacklisted no pacman, já que as versões mais novas não funcionavam ou tinham problemas de empacotamento. Então o apache e mysql começaram dar sinais de estress, saindo do ar praticamente todos os dias. Fiz um script que reiniciava os serviços em caso de interrupções, achei que fosse culpa dos pesados moodle e drupal.
Chegou a um ponto impossível de se trabalhar, serviços capotando, tive que arriscar uma atualização, fiz, deu mais ou menos certo, o pacote do PHP mudou sua estrutura,nome, dependências e gastei 2 horas tentando encaixar o mod_php no apache, sem sucesso, simplesmente desisti.
Fiquei 3 ou 4 dias sem apache, e sem tempo nenhum pra cuidar do servidor… Pensei em colocar um slackware , mas o linode só tem o slack 12.2, e meus testes com slack 13 foram um desastre, problemas com o kernel do linode não me deixavam subir o apache.
Ponderei entre configurar o servidor com debian, com quem já trabalhei muitos anos, e ubuntu, devido as deficiências do debian em fornecer versões recentes de software sem ter que mudar pro testingo ou unstable. No fim escolhi o CentOS.

CentOS, é uma distribuição clone do RedHat Enterprise Linux, mas sem as ferramentas proprietárias de gerenciamento e integração de serviços. Ou seja, o trem é estavel, muito bem suportado e com suporte até 2014 🙂
Em 40 minutos já tinha web, emails funcionando. Faltou o ejabberd,não encontrei pacote pronto pra ele, instalei o disponível no site oficial mas ele não foi capaz de importar meu banco de dados antigo.

Ainda tenho que aparar algumas arestas, mas acho que da pra seguir a vida … pra servidor , archlinux nunca mais !

Review da placa mãe GA-945GCM-S2C

Tive problemas com meu macbook pro e ele foi para a assistência técnica, mas segundo o email da AT ele vai para o laboratório da apple láááá na califórnia para receber uma placa mãe nova :-/

Nesse meio tempo precisei de um computador para trabalhar, então comprei um micro barato com um bom potencial de upgrade, um Pentium D 2Ghz, 2Gb de RAM e com a placa mãe Gigabyte GA-945GCM.

Essa placa é fabricada na china mas é montada no brasil, é bem engraçado ver que embaixo do logotipo da zona franca tem um made in china mas a parte boa é que a fabricante da garantia de 1 ano, e todos os manuais vem em portugues, e alias que manuais ! Comparado com os da ASUS são verdadeiras enciclopédias com ilustrações de blocos, tutorial de como instalar a memória e processador, um guia sobre a BIOS, um verdadeiro SHOW.



Como podem ver na fotografia acima (que não é minha) ela possui 4 satas 3gb/s , 4 USB na traseira e 4 frontais , dois bancos de memória dual chanel suportando até 2 GB de RAM (não confirmado) . 1 IDE , Floppy , 2x PCI , 1 PCI-E . Tem rede, som e vídeo onboard.

A rede on-board é de 100 Mb/s, é decente usa aquele driver tulip (terror em 2002) , o som é intel-hda ICH7 cão chupando manga, mas até aqui ta rolando legal. O vídeo é realmente fraco, é a popular Intel 945GMA em teste com o glxgears ela mantém a média de 1050 FPS, a minha Geforce 6200 faz 1300 FPS enquanto no macbook pro com ATI HD X1600 chega quase a 3000 FPS… Mas é uma placa que já vem funcionando de cara, sem precisar instalar driver proprietário nem nada… Apesar da recomendação de não usar essa placa pra jogos, da pra jogar Doom3 , Quake 4 , Prey com alguma dignidade. Compiz e outras frescuras também rodam legal.

O único problema dessa placa é que ela tem uma BIOS arcaica, com poucas opções uteis além das flags para Overclock 🙂 So pra se ter uma idéia, ela vem setada para não aceitar teclados ou mouses USB !!! É o padrão dela, se não tiver um PS2 por perto não rola nem entrar na BIOS ! Pra minha sorte quando foi instalar o Arch achei um PS2 velho pra arrumar a bios.

Apesar disso, gostei da placa, ela aceita processadores P4, PD, C2D e estou pesquisando se ela aceita C2Q (quad)… Se ela suportar um Quad Core e mais de 2 Gb de RAM, existe uma chance razoavel dessa maquina se tornar minha máquina principal, já que minha velha Asus AV8 não tem PCI-Express e com o maldito soquete 939 não vale a pena fazer upgrade de processador…

Não sei se falei, mas essa máquina é de baixo custo, a placa mãe custou R$ 180 reais e o processador R$ 210, memória R$ 60 … poderia ser mais barata se fosse um semprom mas essa máquina é Intel de cabo a rabo por uma boa causa 🙂 Hackintosh, ela é perfeita para o trabalho já que é 100% compativel com os OSX, isso mesmo galera um mac por 500 reais , chupa macmini !

Enfim, quer uma mobo intel sem pagar muito ? Gigabyte GA-945GCM !

Swap e journaling fs em SSD, pode ou não ?

Lendo um guia sobre a instalação do archlinux no eeepc ( eu não vou comprar notebooks de criança, qualquer coisa com monitor menor que 15,3 ” é calculadora) , vi a recomendação de NUNCA, JAMAIS instalar um sistema de arquivos jornalisado ou a swap em um SSD . E procurando pela net, achei dezenas de artigos, com os mesmos erros ortograficos citando as regras de ouro para a durabilidade de um SSD:

   1.  Never choose to use a journaling file system on the SSD partitions
   2. Never use a swap partition on the SSD
   3. Edit your new installation fstab to mount the SSD partitions "noatime"
   4. Never log messages or error log to the SSD 

Tudo isso por que os SSD baseados em memória Flash tem um número limitado de ciclos de escrita, variando de 1000 até 10000 em Flashs do tipo MLC (usado naqueles mp3 vagabundos que só duram 3 meses), mais de 100000 para os com tecnologia SLC, e acima de 1 milhão para os SSDs mais decentes que geralmente equipam notebooks e servidores.

Levando em conta que a velocidade máxima de gravação desses dispositivos giram em torno de 80 Mbit/s, a vida útil de um SSD SLC de 8 Gb vai ser de 2 anos ! Isso se usado de forma intensiva, 24/7, somente em operações de gravação !!! Se optar por um modelo de 16 GB e usar de forma agressiva reescrevendo a unidade o tempo todo, vai levar 5 anos até o SSD morrer definitivamente ! Wow, poucos HDs de disco duram isso. E olha que estamos falando de 100000 gravações, que provavelmente equipam Eeepcs e outros netbooks do mercado. No caso dos SSDs mais caros, seguindo a mesma lógica, mas para 1,5 milhões de ciclos o SSD pifaria em 76 anos.

Agora vamos ao mundo real, nenhum computador usa a SWAP de forma tão intensiva, e o journaling dos sistemas de arquivo só gravam dados no sistema quando existem operações de escrita a serem feitas. A carga de escrita em um HD ouvindo música e navegando na net, como estou fazendo agora é de 270Kb/s (aferido com dstat , que vc acha aqui ), ou seja nesse ritmo eu levaria 188 anos pra detonar um SSD SLC … ta ta, vc é heavy user, tem 1 Mb de escrita por segundo ? Então tu vai levar 50 anos … Pô ! Parem de chorar ! Usem seus SSDs sem medo !

Talvez eu tenha errado alguma conta, mas pelo que li em fóruns sérios quem fez a conta chegou a resultados parecidos.

Instalando VMware Workstation no archlinux

Fui na casa de meus pais e matei um pouco da saudade do meu playstation 2… Não tenho TV, então quando mudei dexei o vg lá. Apesar de ter um PC razoavel, não jogo muito nele por falta de opções de jogos comerciais. Eu sei que pelo bem da liberdade deveria jogar e gostar de Tuxracer e pingus, mas como ser contraditório que sou, gosto mesmo de Prey e Need for Speed. Eu nunca senti muita falta de jogos pq tenho um Macbook pro, com uma placa de vídeo animal, mas como ele tá com problemas, tenho que apelar pro desktop.

Essa máquina roda archlinux exclusivamente, tenho um XP em uma partição que coloquei pra jogar bioshock, e quero esse espaço de volta 🙂 Por isso estou instalando o VMware, pra jogar.

A internet aqui na república é bem disputada, são 512 Kb/s pra 3 heavy users, então baixar o vmware não é uma opção, se bem que com o ID em Tiête, a rede tá lisa e rápida, deu até pra configurar o server via ssh ontem, coisa que não conseguia fazer desde que o povo voltou de férias. Peguei do ID um pacote do vmware para o fedora, tive que desmontar o rpm com o comando rpmextrac :


sudo pacman -S rpmextract
rpmextract.sh VMware-Workstation-6.5.1-126130.i386.rpm
cd var/cache/vmware
[liquuid@amakusa vmware]$ ls -l
total 385788
-rwxr-xr-x 1 liquuid users 395045565 Out 29 03:37 VMware-Workstation-6.5.1-126130.i386.bundle

O arquivo .bundle é praticamente o mesmo arquivo que está dentro do tar.gz que se puxa do site oficinal. Mas antes de executar o script devemos criar alguns diretórios para o vmware inicializar seus drivers:


sudo mkdir -p /etc/rc.d/vmware.d/rc{0,1,2,3,4,5,6}.d

Agora basta instalar o programa normalmente executando o arquivo.bundle :


sudo ./VMware-Workstation-6.5.1-126130.i386.bundle --console --custom

Siga as instruções, e quando ele perguntar de “System service runlevels”, reponda : /etc/rc.d/vmware.d/ , e quando perguntar de “System service scripts” , responda : /etc/rc.d
. Ai é só jogar

Shutdown no sábado

Caros leitores e usuários dos serviços liquuid.me, comecei hoje os backups e o planejamento para a troca de sistema do server. Vou abandonar o já cansado Fedora 8 (werewolf) e migrar para alguma outra distro que ainda não decidi qual vai ser… Penso em adotar o ArchLinux, mas sua crueza (KISS em excesso) em alguns aspectos me deixa inseguro em sua adoção, portanto considero também distros como CentOS ou outra com um suporte mais longo.

Eu gostei muito do fedora como server, não tive problemas de nenhum tipo, e em poucas horas tinha Jabber, email, site tudo funcionando… O motivo é seu ciclo de desenvolvimento que me obriga a reconfigurar tudo a cada 6 meses… O fedora 8 já não tem mais suporte da comunidade , não vou arriscar ser invadido por besteira 🙂

Nesse meio tempo, o email , jabber, taskmanager, calendário vão ficar fora e não tem previsão pra voltar , se vc tem email liquuid.me ou jabber esteja avisado.

Hackers, vcs tem uma semana pra ownar o liquuid.me 😛