Review: Dell studio 1458

Faz tempo que não escrevo aqui 🙂

Gostaria de informa-los que pela primeira vez em muitos anos comprei um PC e gostei disso !!!

Meu macbook pro realmente morreu, após 1 ano e meio agonizando, não deu mais, desisti … Precisando de uma máquina pra trabalhar, minha primeira opção foi comprar um mac. Primeiro choque foi descobrir que apesar do dolar baixíssimo os macs continuam caros, o segundo choque foi descobrir que no Brasil os macs AINDA são equipados com o “fraquissimo” Core 2 Duo.

Dessa vez não quis pegar pesado, comprei um macbook pro por causa da potente placa de vídeo, que no fim das contas mal usei … então foquei numa boa configuração de um macbook, ai descobri que o macbook e o macbook pro de 13″ tem exatamente a mesma configuração, só muda o acabamento e o teclado luminoso, mas o macbook custa em torno de 800 reais mais barato. A configuração que encontrei em todas as lojas era igual, Core 2 Duo, nvidia onboard 2 GB de RAM e 250 Gb de HD ao preço de 3200 reais, um absurdo completo.

Depois de sair completamente desiludido da “loja da apple”, dei uma olhada nos notebooks PCs, primeiro seguindo as sujestões do @kov e do @_id_ fiquei vidrado no Lenovo, principalmente o T410, mas o alto preço (R$4700) e a configuração “fraca” ( core i3, 2GB, 320GB, 2 horas de bateria), então vi o lindo Sony Vaio, com processador core i3, bd-rom, 320GbHD, 4GB de RAM, processador intel… quase fechei a compra se não fosse um pequeno detalhe, ele não me pareceu sólido, quando digitava ele o teclado deformava !!! Parecia um certo netbook que comprei que me recuso a incluir na time-line dos meus computadores. Vi os HPs, e os Acers, eles eram muito domésticos, pouca RAM, muito neon e processadores de segunda linha.

Quando já estava me conformando em comprar um macbook fraquin, vi o Dell, com toda sua feiura ali num canto, com uma aura roxa em volta, sem nenhum apelo, sem leds, neons uma verdadeira obra dos anos 90 em termos de design. Fui olhar as specs, UAU !!!

  • processador: core i5 2.4Ghz, 3 MB de cache por núcleo (?), 4 núcleos reconhecidos pelo SO
  • RAM: 6 Gb, 1066Hz
  • HD: 500 GB, 5400 RPM
  • Display: Led, 1366×768, tela gloss
  • Blue Ray – ROM  + DVD-RW slot-loading !!!
  • Saídas hdmi, VGA, e-sata, 2 USBs, duas saídas p2, mic In (chupa apple), leitor de cartão e pc-express card
  • wifi padrão N, blue-tooth, e rede gigabit
  • camera 2Mega-pixels, microfone estéreo
  • Bateria com indicador de carga (igual nos macbooks), com autonomia de 4h30
  • touchpad multitouch

Pelo que entendi a máquina foi feita para concorrer com os macbooks, micro parrudo (mas não tanto) cheio de frescurinhas e itens de usabilidade legais. O nome studio deixa claro que seu foco são produtores e técnicos de som, só existem 3 leds na máquina, o indicador de bateria que muda de cor de acordo com a carga, o led indicador do estado da máquina ( on / off / suspend )  e outro no conector da fonte, bom pra encontrar o cabo no escuro 🙂

O teclado é confortável, ao contrário dos HPs e Acers que encontrei, ele  tem a tecla ‘/’ (Fundamental pra quem programa ou usa Unix,) , por outro lado ele não tem teclado numérico por Fn, e não tem led indicador para o CAPSLOCK  !!! Ele é bem silencioso, pena que nesse modelo ele não é retro-iluminado. As teclas multimídia do teclado funcionam muito bem tanto no windows quanto no linux, alias e tecla de ejetar o bd-rom funciona mesmo antes do SO carregar.

As caixinhas de som, são decentes, mas destorcem o som em volumes mais altos, as do meu macbook pro antigo eram melhores. O microfone e a camera são decentes também.

A placa de vídeo é uma Radeon HD 4550, com 512 Mb de memória, não testei, mas dizem que ela é muito boa pra jogos, pelo que li ela é tão boa quanto a placa de vídeo que tenho no meu PC um nvidia geforce 9500GT (algo assim).

Minha única decepção foi a tela iluminada por led…. é impossível 2 pessoas olharem para o mesmo ponto da tela e verem a mesma coisa, a distorção de cores é absurda, principalmente na vertical, uma mudança de 5 graus na inclinação da tela é o suficiente para tornar um texto ilegivel… Ao colocar uma imagem com cor sólida em toda tela fica evidente que a máquina não foi pensada para designers gráficos, um simples amarelo se torna um arco-iris de qualquer ângulo, mesmo quando visto da perpendicular partindo do centro da tela.

O bd-rom é bem rápido e muito mais silencioso que o slot-loading que eu tinha no macbook pro, aprovado.

No ubuntu 10.10 absolutamente tudo funcionou de primeira após instalar os drivers proprietários da ATI, ela suspende, hiberna, tudo ! É só fechar a tampa. É claro que hibernar demora mais, são 6 GB de ram para escrever no disco… Mas o suspend é instantâneo coisa que não acontecia no macbook pro rodando linux.

O wifi e o bluetooth funcionaram sem dramas ou gambiarras no linux, alias o alcance do wifi me supreendeu, antes eu pegava 4 ou 5 redes com o mbp, agora pego 12 ou 15 redes, algumas bem longe da minha casa, cool !

O leitor de cartão também rolou de primeira, não testei o VGA por preguiça, e o HDMI por falta de hardware.

Enfim, foram R$2999 bem gastos, gostei muito da máquina, bom desempenho, boa usabilidade, apesar do display, dou uma nota 8,0 para ela.

PS: As marcas de dedo aparecem muito no acabamento Black Piano

Sobre o Mandriva

Mandriva foi o resultado da fusão da francesa Mandrake e da brasileira Conectiva, as duas distribuições que rodei com sucesso no meu primeiro computador. Mandrake e Suse eram as duas únicas distribuições voltadas para Desktop ( não workstations ) com alcance mundial e uma boa comunidade. Algo mudou, a mandriva se voltou a workstations corporativas e meio que perdeu o rumo, e acabou como distro “pequena” e notavel.

No Brasil Mandriva ainda tem uma comunidade organizada, encontrei uma rica documentação sobre a distro no site do patola .

Mandriva é disponibilizada em 3  versões , Mandriva One  (live CD) , Mandriva Free ( DVD de instalação ) , e Mandriva PowerPack ( sistema pago ). O Mandriva PowerPack é uma versão com suporte comercial e acesso a repositórios com softwares proprietarios já empacotados, uma mão na roda se vc não tem saco pra ficar caçando firmwares e hackeando o linux pra rodar softwares obscuros de código fechado.

Mas vale a pena pagar por algo que 15 minutos de Google resolve ?

Vale ! Por dois motivos, além de não ter que se preocupar com codecs e gambiarras, você colabora com a empresa, assim ela pode manter o sistema no ar. Afinal, tirando o Ubuntu que recebe mesada do Astronauta, RedHat , Mandriva e OpenSuse tem que pagar suas contas de alguma forma. Sem falar no suporte oficial por email, foruns e telefone. O preço é relativamente barato, 49 euros .

Outra versão é a Mandriva Flash, ela foi projetada para funcionar direto de um flashdrive, e custa 19 euros, com o flashdrive já incluso.

Eu sei que a maior parte da comunidade linux rejeita pagar por um software proprietario ou livre, por isso vejo como um milagre que a mandriva ainda esteja de pé ! RedHat e SUSE tem um público corporativo , que tem a cultura de pagar por suporte e softwares. Usuários desktop não gostam de pagar por software, e usuários de software livre além de tudo acham isso errado !

Vida longa Mandriva !

Desisto do awesome wm

O awesome wm foi a melhor coisa que já aconteceu no mundo dos windowmanages X11 . Estudos comprovam que gastamos 30% do tempo de uso no computador gerenciando as janelas, o awesome faz isso com maestria. Conheça mais lendo esse artigo aqui.

Mas infelizmente ele sofre da síndrome do pacote novo, como assim ? Ele é atualizado vorazmente, tem release praticamente todas as semanas, e sua evolução é violenta ! Só pra se ter idéia, desde quando eu comecei a usar awesome no começo desse ano o formato e sintaxe dos arquivos de configuração mudaram a ponto de se tornarem incompativeis… Ou seja, reescrever tudo do zero a cada 4 meses. E isso da trabalho, levam meses até se ter um ambiente agradavel cheio de automações.

O awesome wm é feito para quem usa distribuições unstable, é o caso do Fedora Rawhide, Debian sid, Suse Factory, Mandriva Cooker e archlinux, já que sempre exigem a última versão de todas suas bibliotecas, mesmo as mais instaveis. Um bom exemplo é o uso da biblioteca XCB no lugar da velha libX11, nada de errado com isso mas a XCB muda profundamente a cada versão e quebra a retrocompatibilidade, diferente da libX11 que é estavel a mais de 25 anos.

Isso é frustrante pois é impossível usar o ambiente em uma máquina de produção pois dificilmente vai existir um ambiente sério usando versões de testes de distros linux. Por isso , eu desisto, tenho mais o que fazer do que sair colhendo cacos de distros que tem por sua natureza serem defeituosas por padrão. Se o awesome tem esse espirito ,ele não é pra mim.

Sim, agora eu uso xmonad 🙂

Meu PC é VERDE

Hoje acordei com a seguinte missão, montar dois computadores , um para mim e outro para o meu irmão. Meu irmão é usuário hardcore de internet , e visita todo tipo de sites que se possa imaginar, mas ele como a maioria não tem a manha, não sabe onde clica e cai em qualquer scam que aparecer. Por outro lado ele não é burro, sabe que o windows é uma droga cheio de pragas e por isso ele nunca se quer se interessou pelo sistema da microsoft.

suse

Como eu sempre estive por perto, já instalei todo tipo de linux na máquina dele, slack, fedora, ubuntu, debian, gentoo, archlinux e opensuse… Nas fases em que ele teve fedora e opensuse ele mesmo instalava programas, configurava rede (coisas simples) , e é um usuário de bem com a vida e independente quando a distro ajuda. O ubuntu foi um desastre, não me pergunte porque, um dia o gnome simplesmente não queria funcionar mais.

Como agora moro longe, e ele precisava de um upgrade de hardware resolvi tentar o opensuse na máquina dele…. Minha última experiência com a distro não tinha sido muito boa, mas foi por culpa e incopetência minha.

Só contando um pouco de história, o opensuse é fruto do casamento da Novell com a SuSE inc e foi baseado numa distro que era o sonho de consumo de praticamente todo usuário linux… Era uma distro que dispensava (e ainda dispensa) o uso do terminal, mesmo para tarefas administrativas mais complicadas como editar parâmetros do kernel, configuração de xinerama com 2 ou + monitores, configuração de placas de TV, clientes e servidores kerberos, nis etc… Era uma distro bonita, com um tema esverdeado e um simpatico geeko (lagarto) como mascote. Pra época em que ela foi lançada ela era monstruosamente grande, a quantidade de software era imensa, coisa de 6 CDs isso em uma época em que TODOS os pacotes do GNOME e do KDE e o StarOffice cabiam em um único CD.

A distro sempre presou pela qualidade e acabamento, NENHUM aplicativo gráfico é empacotado sem ter um ícone e uma entrada no menu principal, quando um app não tinha ícone a equipe criava um 🙂 E como a distro era européia, era comum ver muitos softwares de qualidade completamente desconhecidos do mercado americano, muitos deles nem tinham tradução para o inglês … Ainda hoje isso acontece, sempre que navego pelo inventário de softwares vejo uma porrada de programas que nunca ouvi falar …

Se o SuSE era tão bom, pq ele não se tornou o que a redhat/fedora se tornou hoje ? Dificil de entender, talvez seja pq o SuSE vem da europa e o grande mercado do linux sempre foi os EUA. Outro fator é que no mercado de desktops o SuSE tinha um impecilho que manteve muita gente longe da distro , o preço 🙁 As ISOs do SuSE não eram de graça, apenas a instalação por FTP, que em uma época sem banda larga era impossível de usar a distro. A única opção era comprar a caixinha, que custava U$ 90 mas aqui no Brasil era vendida por R$ 400 reais, quase dez vezes mais cara que uma caixinha do Conectiva.

Essa barreira impediu que a distro se tornasse popular entre usuários desktop, e o lobby da redhat impediu que ela avançasse no mercado coorporativo, então o SuSE era o Opera das distros linux .

A SuSE era a maior financiadora do KDE, e tudo de mais novo e revolucionário dos desktops linux sempre saiam muito antes para o KDE dela, tipo thumbnails de imagens, pastas virtuais de rede etc… Quando a Novell fagocitou a empresa tive medo que a Novell acabasse com a distro já que a Novell é uma das maiores financiadores do GNOME, e mais ! Ela mudou o foco da distro portando o Yast (O software de configuração linux) para GTK, e mudou tanto o processo de desenvolvimento que todos os antigos fundadores ou foram demitidos ou se demitiram, e hoje não sobrou mais nenhu.

Mas por outro lado a Novell fez bonito ao enviar DVDs com o SuSE desktop e Enterprise gratuitamente para a casa de todos que preenchessem um formulário no site deles isso ainda em 2004 antes do ubuntu existir. Ela abriu o desenvolvimento para a comunidade e dai surgiu o OpenSuSE, uma das 3 grandes distros do momento.


gtk-yast

Vou fazer uma listinha com os prós e os contras do opensuse, até onde eu vi e usei .

Prós :

* Repositórios imensos , e um esquema de contribuições voluntárias e não oficiais estilo AUR (menos varzeado, claro). Portanto o número repositórios extras é absurdo. Só pra se ter uma idéia, o rpmfusion é pequeno perto de um repositório médio não oficial.
* Comunidade grande, fóruns eficientes, documentação rica.
* Sistema super bem acabado, da pra fazer 99,9% das tarefas do dia a dia sem recorrer ao terminal
* A distro não te atrapalha se vc quiser fazer tudo manualmente.
* Todos os aplicativos gráficos estão nos menus categorizados
* Todos os comandos de terminal tem manual (assim como no debian)
* Eles mantem softwares obsoletos nos repositórios, útil numa época em que o KDE4 ainda não chegou aos pés do KDE 3
* Maior repositório de softwares para KDE 2/3/ e 4
* Após a instalação a distro instala flash, codecs , fontes microsoft e outras conveniências automaticamente , coisa que distros puritanas não nos permitem.
* Tem pacote para praticamente todo e qualquer driver proprietário
* A distro não é bleeding edge, e eles testam os pacotes antes de mandar para o repositório.
* Para o opensuse existe muito mais do que KDE, gnome e XFCE…
* O Yast é exatamente o mesmo software em GTK, QT ou Ncurses ! Todas as funcionalidades estão em todos os frontends do programa.
* O sistema se auto instala sob-demanda, instalou uma NVidia ? Ele se oferece para buscar e instalar o driver pra você.
* E muitas outras coisas que não me lembro…

yast2_ncurses_main

Contras :

* Por padrão o opensuse instala e sobe um monte de daemons que comem muita ram e deixam o boot um pouco mais carregado do que em um fedora.
* O yast é muito burocrático consigo mesmo rodando uma porrada de rotinas para cada ação executada, o que torna o processo de configuração um pouco lento.
* O sistema de gerenciamento de pacotes via rede não rotaciona entre os mirrors, por isso é sempre recomendado mudar o mirror dos repositórios para evitar incovenientes falhas durante a instalação de programas.
* Pelo que me lembro só…

Enfim, estou supreso com o linux da Barbie, não imaginei que a distro tivesse conteúdo… Fiquei tão surpreso que arranquei o archlinux daqui… ou seja, archlinux agora só no servidor que vos serve. Nada contra o archlinux, mas ele é mal passado demais pra mim…

Amazon PC l100 ? não compre !

Passei boa parte da minha sexta feira apanhando do Amazon PC l100 , ao contrário do problema do kov , onde o software era uma droga, o L100 é uma bomba …

O sistema é alguma coisa baseada no ubuntu, mal instalado ! Já que o home fica junto da partição de sistema que só tem 5 GB ! Enquanto o resto dos 250 GB do HD ficam em /media/sda3 !!! Intuitivo !

Ele não vem com uma caixa de configuração de wifi (mesmo problema do Kov) , mas o pior mesmo é a placa de vídeo SIS. SIS dispensa apresentação, ninguém além do Timmy (bollox) acha essa placa boa, ela não funciona nem nunca vai funcionar no linux, nem mesmo driver 2D livre ela não tem, pra rolar 2D vc tem que pegar uma versão binária no site da SIS e rezar pra funcionar, e 3D nunca será suportada.

Uma vez um developer comceçou a escrever um driver livre para a SiS e ela o ameaçou de processo… é uma empresa sacana. Mas não mais sacana que a Amazon… que tem a coragem de vender um computador linux com hardware não compativel com linux. Computador com linux da Amazon fuja !, é #armadilhadesatanas

Review da placa mãe GA-945GCM-S2C

Tive problemas com meu macbook pro e ele foi para a assistência técnica, mas segundo o email da AT ele vai para o laboratório da apple láááá na califórnia para receber uma placa mãe nova :-/

Nesse meio tempo precisei de um computador para trabalhar, então comprei um micro barato com um bom potencial de upgrade, um Pentium D 2Ghz, 2Gb de RAM e com a placa mãe Gigabyte GA-945GCM.

Essa placa é fabricada na china mas é montada no brasil, é bem engraçado ver que embaixo do logotipo da zona franca tem um made in china mas a parte boa é que a fabricante da garantia de 1 ano, e todos os manuais vem em portugues, e alias que manuais ! Comparado com os da ASUS são verdadeiras enciclopédias com ilustrações de blocos, tutorial de como instalar a memória e processador, um guia sobre a BIOS, um verdadeiro SHOW.



Como podem ver na fotografia acima (que não é minha) ela possui 4 satas 3gb/s , 4 USB na traseira e 4 frontais , dois bancos de memória dual chanel suportando até 2 GB de RAM (não confirmado) . 1 IDE , Floppy , 2x PCI , 1 PCI-E . Tem rede, som e vídeo onboard.

A rede on-board é de 100 Mb/s, é decente usa aquele driver tulip (terror em 2002) , o som é intel-hda ICH7 cão chupando manga, mas até aqui ta rolando legal. O vídeo é realmente fraco, é a popular Intel 945GMA em teste com o glxgears ela mantém a média de 1050 FPS, a minha Geforce 6200 faz 1300 FPS enquanto no macbook pro com ATI HD X1600 chega quase a 3000 FPS… Mas é uma placa que já vem funcionando de cara, sem precisar instalar driver proprietário nem nada… Apesar da recomendação de não usar essa placa pra jogos, da pra jogar Doom3 , Quake 4 , Prey com alguma dignidade. Compiz e outras frescuras também rodam legal.

O único problema dessa placa é que ela tem uma BIOS arcaica, com poucas opções uteis além das flags para Overclock 🙂 So pra se ter uma idéia, ela vem setada para não aceitar teclados ou mouses USB !!! É o padrão dela, se não tiver um PS2 por perto não rola nem entrar na BIOS ! Pra minha sorte quando foi instalar o Arch achei um PS2 velho pra arrumar a bios.

Apesar disso, gostei da placa, ela aceita processadores P4, PD, C2D e estou pesquisando se ela aceita C2Q (quad)… Se ela suportar um Quad Core e mais de 2 Gb de RAM, existe uma chance razoavel dessa maquina se tornar minha máquina principal, já que minha velha Asus AV8 não tem PCI-Express e com o maldito soquete 939 não vale a pena fazer upgrade de processador…

Não sei se falei, mas essa máquina é de baixo custo, a placa mãe custou R$ 180 reais e o processador R$ 210, memória R$ 60 … poderia ser mais barata se fosse um semprom mas essa máquina é Intel de cabo a rabo por uma boa causa 🙂 Hackintosh, ela é perfeita para o trabalho já que é 100% compativel com os OSX, isso mesmo galera um mac por 500 reais , chupa macmini !

Enfim, quer uma mobo intel sem pagar muito ? Gigabyte GA-945GCM !