quota de disco no fedora

Se você é um sysadmin com poucos recursos de hardware, ou é um ditador tirano como eu, implementar quotas de disco no sistema é fundamental para a saúde do sistema. Como sempre vou usar o fedora como base para a instalação e para a sua sorte ele já vem com esse recurso ativado no kernel por padrão. De nada adianta uma distribuição organizada se você quer usar um sistema de arquivos bizarro da árvore do AM, quota só rola legal em sistemas ext2/ext3 , em xfs eu nunca testei, e a implementação de quotas do reiserfs não é software livre.

yum install quota

Existe dois tipos de quota de disco, quota por usuário e quota de grupo, preciso explicar ? Que bom que não. Caso você vá implementar quota por usuário você deve adicionar usrquota ao campo de parâmetros da respectiva linha de sua partição no arquivo /etc/fstab , por exemplo :

/dev/ubda               /                       ext3    defaults,usrquota        1 1
tmpfs                   /dev/shm                tmpfs   defaults        0 0
devpts                  /dev/pts                devpts  gid=5,mode=620  0 0
sysfs                   /sys                    sysfs   defaults        0 0
proc                    /proc                   proc    defaults        0 0
/dev/ubdb               swap                    swap    defaults        0 0

Caso use quotas por grupo adicione grpquota, simples né ? Feita as modificações você deve remontar a partição :

mount -o remount /

Agora devemos criar o arquivo de controle quotas, como segue no exemplo :

# touch /home/aquota.user
# chmod 600 /home/aquota.user

Caso use quota por grupo use :

# touch /home/aquota.group
# chmod 600 /home/aquota.group

Agora você deve rodar o comando quotacheck -vagum , ele vai reclamar de algumas coisas, mas não leve ele a sério.

Para editar as quotas dos seus users use o edquota -u usuario , então você verá algo desse tipo :

Disk quotas for user (uid 505):
  Filesystem                   blocks       soft       hard     inodes     soft     hard
  /dev/ubda                        16  300000000  350000000          6        6        0

Soft é a quota flexivel, ela pode ser extendida temporariamente até o limite definido em hard , ou seja durante um certo periodo o usuario pode manter mais arquivos do que o limite imposto , após esse período o usuário perde o direito de escrever no disco, legal né ? Se o usuário for um espertinho e tentar escrever um arquivo maior que o imposto pelo Hard, o sistema bloqueia a escrita.

O tempo em que o usuário pode ficar com a quota estourada é definida pelo comando edquota -t

Feito isso, corra para o abraço, não dos seus usuários, eles vão te odiar.

Wifi na linha de comando, sem medo

Dúvida frequente de novatos é como configurar o wifi no linux via linha de comando. Não vou explicar instalar os drivers , as minhas experiências já foram relatadas nesse blog. O objetivo é como escanear, se conectar em um rede sem fio:

  • iwlist scan : Esse comando retorna todas as redes visiveis ao alcance do seu computador
  • iwconfig DEVICE essid REDE : Device é o nome da sua placa de rede pro sistema, pode ser wlan0, ath0 o uaté mesmo eth0 dependendo do driver da sua placa. REDE é o nome da rede que você vai se conectar, por exemplo Sala2 / linksys etc…
  • iwconfig DEVICE key senhadowifi : Caso a rede seja protegida por senha passe a senha por esse comando, mas só após escolher a senha com o comando anterior.
  • dhclient DEVICE : Após escolher a rede você deve atribuir um IP a sua máquina, esse comando pega o IP automáticamente.
  • ifconfig DEVICE xxx.xxx.xxx.xxx : Caso o seu roteador wifi não esteja configurado , talvez você tenha que configurar seu ip manualmente, pergunte ao administrador do router para saber qual faixa de ip você terá que usar

Esses comandinhos são os mais básicos, o suficiente pra estabelecer uma conexão. Caso o comando iwconfig não retorne nada ou retorne “No wireless interfaces found” existe uma chance boa da sua placa não estar devidamente configurada.

Mac OS X pisa na bola

Eu sou um entusiasta do sistema da apple , e o Leopard me deixou tão satisfeito que não tive coragem até agora de particionar o HD do meu macbook pro pra instalar linux. O sistema praticamente não da trabalho, um update aqui e ali, raros
travamentos, desempenho razoavel (linux assasina o OSX quando o assunto é desempenho e bateria), mas quando resolve me pentelhar faz bem feito.


Já formatei meu notebook 3 vezes, uma quando comprei, outra quando notei que após 3 migrações de notebooks estavam fazendo mal ao meu sistema ( do ibook pro powerbook e agora pro macbook), e agora por problemas com Utter Crap HFS .

Quando fiz o segundo format eu notei que meu sistema antigo estava configurado para ser Case-Insensitive, ou seja “Isso==iSSo”. Como minha escola é Unix pra mim nada mais natural do que usar um sistema Case-Sensitive onde “iSSo é diferende de IssO”, pena que os desenvolvedores de software pra plataforma não sabem disso. Logo após restaurar minhas tralhas do backup notei que meu Warcraft III – TFT não tava mais rolando, reclamava de arquivos faltando, fui corrigindo o case dos nomes dos arquivos um por um, e quando notei que eram centenas, fiz um script mas foi inútil pois a Engine do jogo não segue um padrão ao chamar os arquivos…. A minha solução foi criar uma imagem de disco Case- Insensitive e botar o game dentro. Deu certo, e a vida continuou.

Nas crises da vida, notei que se eu quiser ter um futuro conjulgal terei que lidar menos com a máquina e mais com sentimentos, emoções e arte. Então decidi voltar a desenhar e tentar a sorte profissionalmente no médio prazo… Então nada mais natural do que dominar as ferramentas básicas padrão do mercado. Domino bem o Gimp e o Inkscape, e sei que eles tem limites, mas nunca instalei um illustrator ou photoshop na vida e sei que eles tem virtudes. Após um interminavel download do site da Adobe quando fui instalar a versão Trial do Flash :

cs3error

 

Pra não cair no problema do Warcraft a Adobe simplesmente limou o suporte ao HFS Case-sensitive, pensei comigo que seria possível usar a mesma estratégia do Warcraft, criando uma imagem de disco e jogando tudo dentro… Errei ! Tive que reformatar meu HD usando Case Insensitive pra evitar futuros problemas. O problema não tem outra solução, e segundou alguns MacAcos velhos que conheço esse tipo de incompatibilidade sempre rolou.

É como eu disse, quase não da trabalho, mas quando da normalmente é perda total 😛

Instalado trac no fedora 8

Olha que dificil :


yum install trac
mkdir -p /srv/{svn,trac}
svnadmin create --fs-type fsfs /srv/svn
trac-admin /srv/trac/MEU_LINDO_PROJETO initenv

chown -R apache /srv/{trac,svn}

Agora em /etc/httpd/conf.d/trac.conf

< Location /trac >
SetHandler mod_python
PythonHandler trac.web.modpython_frontend
PythonOption TracEnv /srv/trac/MEU_LINDO_PROJETO
PythonOption TracUriRoot /trac
SetEnv PYTHON_EGG_CACHE /tmp

PythonInterpreter trac
< /Location >
< Location /trac/login >
AuthType Basic
AuthName "Yo"
AuthUserFile /srv/trac/conf/trac.htpasswd
Require valid-user
< /Location >


Sim, você vai ter que atribuir uma senha para seus usuários, para cada um deles :

htpasswd -c -s /srv/trac/conf/trac.htpasswd USUARIO

Não é fácil ?